domingo, 31 de outubro de 2010

Calumbi, termômetro nacional

Pela expectativa de repetição do bom resultado pró-Dilma ou pelo eventual aumento de abstenção em virtude da romaria até Juazeiro, o município está na vitrine do segundo turno hoje 



Calumbi - Na cidade brasileira onde Dilma Rousseff teve o maior percentual de votos no primeiro turno (94,8%), paira um temor de que o eventual aumento das abstenções prejudique a candidata do PT. Aqui, pelo menos quinhentos eleitores compraram um lugar na caçamba de um caminhão pau-de-arara e devem seguir neste final de semana numa viagem de três horas para participar da Romaria da Esperança, no santuário de Padre Cícero, Juazeiro do Norte (Ceará), às vésperas do 2 de novembro, dia de Finados. Trajeto semelhante seguirão sertanejos de outras dezenas de localidades do Nordeste - região em que Dilma obteve a maioria de 62% dos votos válidos no primeiro turno e na qual ela aposta para vencer o candidato do PSDB, José Serra. Para muitos dos cinco mil eleitores que ficarão na cidade mais dilmista do país, a atenção será redobrada neste domingo para que a candidata mantenha a dianteira e seja eleita presidente.

"Da outra vez, fiquei no centro até contarem os votos. Agora é que vou cuidar mesmo", disse Helena Gomes, de 55 anos. "Dilma é igual a Lula, pensa nos pobres. Por isso votamos nela", afirmou. Na residência de Helena, todos são "do partido vermelho" - o marido, João Pedro, o filho, Danilo, e a neta Raíssa. A devoção da família Gomes da Silva a Lula está representada em propagandas espalhadas pela casa. "Vó, óia (sic) Lula", apontou a garotinha ao ver a avó Helena sacolejar na calçada um banner com a imagem de uma Dilma sorridente. "Não, menina, é Dilma", respondeu. "Oxe, vó, é Lula", retrucou. Em Calumbi, até na foto Dilma é sinônimo de Luiz Inácio Lula da Silva.

O binômio Lula/Dilma é uma espécie de senso comum. Muda a forma de manifestação da simpatia dupla. "Igual, mesminho como ele foi para nós, pobres, não vai ser nunca. Mas a mulher será parecida, então a gente tudinho prefere ela", explica Damião de Araújo, 25 anos, outro morador de Calumbi. Damião acaba de conseguir um emprego na obra de saneamento financiada pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). "Ter dinheiro é ter comida em casa. Lula deu condição e foi um pai para gente", resumiu.

Em agradecimento aos benefícios "trazidos" por Lula e pelo governador Eduardo Campos (PSB) para a cidade, o prefeito Erivaldo da Silva, conhecido como Joelson (PSB), passou a última semana tentando convencer os eleitores a adiar a viagem a Juazeiro. "Pedi às pessoas para adiarem a saída para o domingo após a votação e vou pedir também para os mesários darem prioridade a quem vai viajar", informou. Além dos romeiros, há muitos jovens que vão ao santuário de Padre Cícero para a festa profana.

A ausência de eleitores-romeiros se somaria à dos eleitores que moram na zona rural e que, desta vez, não teriam como ser transportados até as urnas do comércio. No primeiro turno, a abstenção em Calumbi foi de 20%. Poderia ser pior, acredita o prefeito. Segundo Joelson, foram usados 43 veículos para o deslocamento da população da área rural para a urbana. Em Calumbi, 70% dos 7.600 habitantes residem em sítios e povoados distantes. "Faltou tudodessa vez porque o interesse pelas bases foi bem menor. Tivemos um pequeno apoio e pouco dinheiro", disse Joelson. O prefeito, que no primeiro turno entregou cerca de 10 mil santinhos e visitou todas as famílias da Calumbi, teme porque desta vez não distribuiu nada nem promoveu porta-a-porta.

94,8% - Foi o percentual de votos válidos de Dilma neste município. Foi a maior votação proporcional do Brasil; Serra ficou com 2,5% aqui

5.784 - É o número oficial de eleitores, segundo cadastro da Justiça eleitoral. Deles, votaram no primeiro turno, 4.600 pessoas. Ou seja, a abstenção ficou em 20,4%: 1.182 pessoas não votaram

94% - Da população formal empregada em média está vinculada à administração pública; 0,75% é o ritmo de crescimento demográfico do município, um percentual considerado muito baixo

75% -É o índice de pobreza. O indicador ratifica a condição de Calumbi como um dos municípios mais pobres de Pernambuco, pelas taxas de desempenho pior que a média estadual

40% - Do total dos habitantes são analfabetos. Quase o dobro da média. A mortalidade alcança 73,8 óbitos em mil nascidos vivos

360 - Quilômetros é a distância entre Recife e Calumbi. A cidade fica no Sertão do Pajeú, região semiárida onde também está localizada a cidade de Serra Talhada. Vive sobretudo da agricultura

Fonte: TribunalRegional Eleitoral (TSE)/ "Cidade do Futuro - Desafios dos municípios de Pernambuco" (Sebrae/2008)

Nenhum comentário: